Pasta de tomate seco com berinjela

pasta

INGREDIENTES:

150 gramas de tofu

150 gramas de tomates secos

2 berinjelas pequenas ou 1 grande

150 gramas de amendoim

1 copo d’água potável (250 ml)

Azeite de Oliva a gosto

Ervas Finas e Sal a gosto

MODO DE PREPARO:

Corte as berinjelas em fatias finas e asse-as em forno-médio(180 graus) até que elas fiquem douradas (uns 5 a 10 minutos).

Junte as berinjelas assadas com os outros ingredientes e bata-os no liquidificador ou no processador de alimentos até que a mistura fique uniforme.

Sirva a pasta com torradas, pão árabe, biscoitos salgados ou com salada de folhas.

Batata-doce

batatadoce

A batata-doce é um tubérculo rico em carboidratos complexos e em fibras. Ela contém betacaroteno, vitaminas do complexo B e sais minerais.

Excelente fonte de energia, a batata-doce é muito utilizada por praticantes de atividades físicas no pré-treino, no almoço e até mesmo no café-da-manhã.

Possui um baixo índice glicêmico e pode ser consumida até mesmo por quem quer perder peso, sempre conforme a orientação da sua nutricionista ou do seu médico, claro.

O seu uso na culinária é bem amplo, podendo ser preparada cozida, assada ou frita e usada em diversas receitas.

Eu gosto muito de comê-la cortada bem fininha, assada no forno, com sal e um fio de azeite de oliva.

E vocês? Como gostam de comer a batata-doce?

Salpicão Vegano

salpicaoprato

Receita:

100 gramas de cenoura ralada, 100 gramas de repolho branco ralado, 100 gramas de beterraba ralada, 1 lata de milho, 50 gramas de alho poró picado, 2 maçãs picadas, 1 pote de pasta de soja sabor tomate seco ou salsa e cebolinha(a gosto), azeite e batata palha.
Servir gelado.
Para acompanhar: vinho branco ou suco de uvas brancas.

salpicaotravessa

Grão-de-bico

grao-bico

O Grão-de-bico é uma leguminosa da família das fabáceas com muitas propriedades nutritivas. Ele é rico em: proteínas, aminoácidos, fibras, sais minerais, ômega 3 e 6 e vitaminas. Além disso tudo, ele é uma ótima alternativa na alimentação de quem não come animais.

As fibras contidas nele são quase todas solúveis e auxiliam no bom funcionamento do intestino. Estudos científicos recentes demonstraram que o grão de bico é eficaz na redução do colesterol total e do LDL, sendo um importante aliado na prevenção de problemas cardiovasculares.

A presença constante do grão de bico na alimentação está relacionada com uma sensação de bem-estar devido ao aminoácido triptofano, melhorando a absorção da serotonina. Ele também auxilia na síntese de mielina, substância rica em lipídeos,  otimizando a disposição e o aprendizado.

Ele pode ser preparado como feijão ou pode ser usado na cozinha para fazer hambúrguer, saladas, pastas, refogados, frituras, etc.

É um alimento maravilhoso!

A história do vegetarianismo

veg

* Pré-História
O vegetarianismo surgiu há cerca de 5 milhões de anos. O nosso antepassado mais antigo, o Australopithecus anamensis, alimentava-se de frutas, folhas e sementes, vivendo em perfeita harmonia com os animais menores, que poderia facilmente apanhar para se alimentar, mas a índole destes hominídeos era pacífica e assim continuou até ao Australopithecus boesei, que existiu há cerca de 2,4 – 1 milhão de anos.

Com o domínio do fogo e o desenvolvimento das armas, o Homo neanderthalensis, nosso antepassado mais recente (127.000 – 30.000 anos), caçava em grupos de 10 a 15, animais de grande porte ,como os mamutes ,e outros mais pequenos, como os veados, dos quais tudo era meticulosamente aproveitado. Mais tarde, as populações humanas foram criando culturas de vegetais fixas, que começaram a atrair animais como: porcos selvagens, ovelhas, cães, cabras, aves, ratos e pequenos felinos, que foram sendo domesticados. Alguns animais começaram a ser mortos para consumo. Foi nessa época que o homem começou a encarar os animais como alimentos.

* Civilizações antigas

Por volta de 3200 AC, o vegetarianismo foi adotado no Egito por grupos religiosos, que acreditavam que a abstinência de carne criava um poder kármico que facilitava a reencarnação.
Na China e no Japão por volta do século III, A.C, o clima e os terrenos eram propícios à prática do vegetarianismo. O primeiro profeta-rei chinês, Fu Xi, era vegetariano e ensinava as pessoas a arte do cultivo, as propriedades medicinais das ervas e o aproveitamento de plantações para roupas e utensílios. “Gishi-wajin-den”, um livro de história da época, escrito na China, relata que no Japão não existiam vacas, cavalos, tigres ou cabras e que os povos viviam das plantações de arroz, do peixe e dos crustáceos que apanhavam. Muitos anos mais tarde, com a chegada do budismo, a proibição da caça e da pesca foi bem recebida pela população japonesa.

Na Índia, animais como as vacas e macacos foram adorados ao longo dos anos por simbolizarem a encarnação de divindades. O rei indiano Asoka, que reinou entre 264-232 AC, converteu-se ao budismo, chocado com os horrores das batalhas. Ele proibiu os sacrifícios animais e o seu reino tornou-se vegetariano. A Índia, ligada ao budismo e hinduísmo, religiões que sempre enfatizaram o respeito pelos seres vivos, considerava os cereais e os frutos como a melhor forma (mais equilibrada) de alimentar a população. Juntamente com estas práticas religiosas, certos exercícios, como o Yoga, associaram-se ao não consumo de carne, para alcançar a harmonia e ascender a níveis espirituais superiores.

Para os povos celtas e aztecas, intimamente ligados à natureza, a carne era reservada para grandes ocasiões: as festas que serviam para estreitar os laços sociais e ligar o mundo humano ao dos deuses pagãos. De resto, quando não estava ligado ao sacrifício, o consumo de carne dependia da caça. Apenas a caça escapava a lógica do sacrifício, mas no sistema de valores da cultura celta era uma atividade marginal.

* Ocidente

A ideologia alimentar grega e romana foi fundada sobre os valores do trigo, da vinha e da oliveira. Este modelo esteve frequentemente ligado à ideia de frugalidade: o pão, o vinho e o azeite (aos quais eram acrescentados os figos e o mel) eram elevados a categoria de símbolos de uma vida simples, de uma pobreza digna, feita de trabalho duro e de satisfações singelas. Na época, estas imagens eram a proposta alternativa dos gregos ao luxo e a decadência do povo persa, conforme mostram os textos clássicos. A proeminência do pão na cultura antiga era também decorrente da primitiva ciência dietética, que colocava o pão no topo da escala de nutrição. Os médicos gregos e latinos viam no pão o equilíbrio perfeito entre os “componentes” quente e frio, seco e úmido, conforme os ensinamentos de Hipócrates. Em contraste, o consumo da carne foi sempre problemático. Imagem do luxo, da gula, da festa, do privilégio social, a carne não era considerada pelas civilizações antigas do Mediterrâneo como um bem tão essencial quanto os produtos da terra: o seu preço não era sujeito a um controle político como eram os cereais. Em certas épocas, a venda de carne chegava a ser proibida ao público.

O matemático e filósofo grego Pitágoras, e o filósofo romano Platão, advogavam a não crueldade para com os animais. Eles verificaram que as vantagens de um regime vegetariano eram imensas e que este regime era a chave para a coexistência pacífica entre humanos e não-humanos, focando que o abate de animais para consumo embrutecia a alma das pessoas. Os argumentos de Pitágoras a favor de uma dieta sem carne apresentavam três pontos: espiritualidade, saúde física e responsabilidade ecológica. Estas razões continuam a ser citadas hoje em dia por aqueles que preferem levar uma vida mais responsável.

*Judeus

Segundo a historiografia de Flávio Josefo, que se ocupa de restituir uma imagem do judaísmo entre os séculos I a.C. e I d.C, a sociedade judaica em 3 grandes escolas filosófico-culturais: fariseus, saduceus e essênios.
O historiador descreve os essênios como judeus crentes agricultores que viviam em comunidade, dedicados ao estudo das Escrituras, mas também da medicina e de outras ciências.

O povo essênio foi revelado na história oficial judaica, pela descoberta dos famosos “Manuscritos do Mar Morto”, que são centenas de textos e fragmentos de texto encontrados em cavernas de Qumran. Mesmo após décadas de trabalho e controvérsias, a tradução integral dos manuscritos do mar Morto foi finalizada apenas em 2002.

Segundo diversos historiadores (Martin Larson, Robert Eisemann, John M. Allegro,…), a história do cristianismo é na realidade a história dos essênios.

Há três escritores da antiguidade que possuem relatos sobre eles: Flavius Josephus, Plinius e Philon de Alexandria. A comunidade já estava ativa no tempo de Jonatan Makkabeus (160-142 aC) e seu desaparecimento coincide aproximadamente com a destruição de Jerusalém (70 dC).

Os essênios tinham como hábitos a meditação, um ritual de banhos para a purificação e o cultivo de frutas e verduras para alimentarem-se.

Infelizmente eles acabaram sendo perseguidos e mortos pelos romanos.

*Cristianismo e Idade Média
O Cristianismo primitivo, com raízes na tradição judaica, viu o vegetarianismo como um jejum modificado para purificar o corpo. Tertuliano (155-255 DC), Clemente de Alexandria (150-215 DC) e João Crisóstomo (347-407 DC) ensinaram que evitar a carne era uma maneira de aumentar a disciplina e a força de vontade necessárias para resistir as tentações. Isto tornou as restrições dietéticas, como o vegetarianismo, muito comuns no comportamento cristão da época. E estas crenças foram transmitidas ao longo dos anos de uma forma ou de outra – por exemplo, a proibição de carne (exceto peixe) da Igreja Católica Romana nas sextas-feiras, durante a Quaresma.

Com o estabelecimento do Cristianismo, surgiram ideias de supremacia humana sobre todas as criaturas, mas muitos grupos não ortodoxos não partilhavam desta visão. Desde então, no decorrer da Idade Média, todos os seguidores das filosofias que eram contra o abate e abuso dos animais, eram considerados fanáticos, hereges e frequentemente perseguidos pela Igreja e queimados vivos. No entanto, conseguiram escapar a este terrível destino dois notáveis vegetarianos – Santo David (Santo Padroeiro de Wales) e São Francisco de Assis.

O mundo medieval considerava que os vegetais e cereais eram comida para os animais. Somente a pobreza compelia as pessoas a substituírem a carne pelos vegetais. A carne era o símbolo de status da classe alta. Quanto mais carne uma pessoa pudesse comer, mais elevada era a sua posição na sociedade.

*Renascimento
No início da era Renascentista, a ideologia vegetariana surgiu como um fenômeno raro. A fome e as doenças imperavam, enquanto as colheitas falhavam e a comida escasseava. A carne era pouca, e um luxo apenas para os ricos. Foi durante este período que a filosofia clássica (greco-romana) foi redescoberta. O Pitagorismo e o Neo-Platonismo tornaram-se novamente uma grande influência na Europa.

Com a sangrenta conquista de novos territórios, novos vegetais foram introduzidos na Europa, tais como as batatas, a couve-flor e o milho. A adoção destes novos alimentos trouxe imensos benefícios a saúde, ajudando a prevenir doenças dermatológicas, que eram na altura, muito frequentes.

* Iluminismo
Com o Iluminismo do século XVIII, emergiu uma nova perspectiva do lugar do Homem na ordem da criação. Argumentos de que os animais eram criaturas inteligentes e sensíveis começaram a ser ouvidos e objeções morais a serem colocadas, a medida que aumentava o desagrado pelo desrespeito e abuso dos animais.

Nas religiões ocidentais houve um ressurgimento da ideia de que, na realidade, o consumo de carne era uma aberração e ia contra a vontade de Deus e contra a genuína natureza da humanidade. Nestes dias, os métodos de abate eram extremamente bárbaros.

Vegetarianos famosos deste período: os poetas John Gay e Alexander Pope, o médico Dr. John Arbuthnot e o fundador do movimento metodista John Wesley.
Grandes filósofos como Voltaire, Rousseau e Locke, questionaram a inumanidade do Homem em relação aos animais; e a obra de Paine, The Rights of Man, de 1791, despertou muitos assuntos a respeito dos direitos dos animais.

* No século XIX
A influência do Cristianismo radical, no século XIX, deveu-se a grande difusão do vegetarianismo na Inglaterra e nos Estados Unidos. Os fundamentalistas cristãos provieram de grandes congregações existentes na recente e pobre zona urbana. Estes representantes estavam saindo da Inglaterra e a espalhaando-se por outros países europeus, e as comunidades vegetarianas nos Estados Unidos eram formadas maioritariamente por Adventistas do Sétimo Dia. Um notável praticante desta religião era o Dr. John Harvey Kellogg, o inventor dos cereais Kellogg`s.

Por volta de 1880, os restaurantes vegetarianos eram populares em Londres e ofereciam refeições baratas e nutritivas.

* No século XX
Com o virar do século XX, a população britânica encontrava-se ainda num estado de pobreza. A Sociedade Vegetariana, durante a crise de 1926, distribuía alimentos as comunidades mais carentes – o vegetarianismo e o humanitarismo estiveram sempre proximamente relacionados.
Por causa da escassez de alimentos durante a Segunda Guerra Mundial, os britânicos foram encorajados a “Escavar para a Vitória” (Dig For Victory), para cultivarem os seus próprios vegetais e frutas.
A dieta vegetariana manteve a população e a saúde das pessoas melhorou muito durante os anos em guerra.
Nos anos 50 e 60 do século XX, muitas pessoas tomaram consciência do que se passava nas unidades de produção intensiva, introduzidas após a guerra. O vegetarianismo tornou-se muito difundido quando as influências orientais se espalharam pelo mundo ocidental, ganhando ainda mais força a partir dos anos 80.

Fontes: Josefo F., Bellum ludaico II, VIII, 120
http://www.centrovegetariano.org
http://www.veggietal.com.br

vege

Parei de comer carne e de usar produtos de origem animal

Olá, bem-vindo(a)! O meu nome é Fernanda Marques e há um ano e meio resolvi parar de comer carne. Percebi que o meu respeito à vida dos animais era mais importante do que o prazer que eu tinha em comer a carne e os produtos deles. Quis encarar a realidade e vi o quanto me doía ver a expressão de dor e de sofrimento deles rumo à morte ou enquanto são explorados pelo homem.

Assim como outros hábitos e vícios que adquirimos, o processo de retirada da carne e dos produtos oriundos de animais pode ser difícil para muitas pessoas. Passei por uma transição gradual e aqui no blog vou contar como foi o passo-a-passo dessa mudança na minha vida.

Espero poder ajudá-lo(a) com receitas, dicas de produtos e motivação!

Beijos

Açúcar Refinado- Alimento ou Veneno?

acucar

Olá, boa tarde! Conforme sugerido, vou escrever um pouco hoje sobre o açúcar.

Os produtos industrializados contêm muito mais açúcar do que a maioria das pessoas imagina. Ao contrário do que se pensa, o açúcar pode estar presente até mesmo nos alimentos salgados, para realçar o seu sabor e melhorar a sua consistência.

Além de engordar, o consumo excessivo de açúcar pode aumentar a taxa de glicose no sangue, causando diabetes mellitus do tipo 2, e também pode debilitar o nosso sistema imunológico, já que o seu ph é bastante ácido para o nosso organismo e isto favorece a proliferação de microorganismos que nos deixam doentes.

Em 2003, a Organização Mundial de Saúde, concluiu que alimentos de baixo IG (Índice Glicêmico), possivelmente diminuem o risco para o desenvolvimento do diabetes do tipo 2, devido ao melhor controle na liberação de insulina, bem como da obesidade, pelo aumento da saciedade, além de não contribuir para consumo excessivo de alimentos na refeição posterior. Além disto, pelo grande teor de fibras das dietas com baixo IG, sobretudo as solúveis, há maior distensão gástrica e consequente elevação da secreção de um hormônio intestinal: a colecistoquinina, que por sua vez, induz a sensação de saciedade. Essas dietas estimulam a oxidação de gordura em detrimento ao carboidrato com consequente redução na deposição de gordura no corpo.

   O processo de refino retira as fibras, vitaminas e sais minerais naturalmente presentes na cana-de-açúcar, transformando-a num alimento pobre nutricionalmente, que é o açúcar branco. açucarrefino

No entanto, há opções melhores do que o açúcar refinado no mercado para adoçar as nossas receitas do dia-a-dia como: açúcar mascavo, demerara e de coco, melado, agave, stévia, xiilitol, frutose, mel, manitol e sorbitol, etc. Falarei em breve sobre estas alternativas num outro post, pesando os seus prós e contras.

Algumas frutas já são doces e ainda assim acrescenta-se açúcar desnecessariamente em sucos e em outras bebidas.

Se você tem o hábito de consumir altas quantidades de açúcar diariamente, o ideal é que você vá retirando-o gradualmente da sua alimentação com substituições saborosas, mais nutritivas e que lhe deem saciedade. Com o tempo, o nosso paladar vai melhorando e nos contentamos com o sabor natural das frutas e de outros alimentos. Eu fui obesa quando criança principalmente porque consumia açúcar em excesso. Eu fazia bastante atividade física diariamente, cheguei a competir e ganhar medalhas, mas mesmo assim estava bem acima do peso adequado. Aos onze anos, quando consegui aos poucos, com a orientação do meu pai, que era médico, diminuir bastante a quantidade de açúcar que eu ingeria, emagreci.

Segundo a Nutricionista Cintya Bassi, do Hospital e Maternidade São Cristóvão, a compulsão por doces pode tornar-se um vício, já que após a ingestão desses alimentos, o cérebro libera algumas substâncias químicas naturais, ligadas à sensação de prazer, os opióides. “A rotina muitas vezes carregada a que nos expomos hoje favorece a compulsão alimentar como uma espécie de compensação e válvula de escape. É comum pensarmos que somos merecedores do doce após enfrentarmos algum problema e esses alimentos funcionam como a chamada “comfort food”, trazendo um alívio imediato, porém efêmero, para as sensações ruins. Porém, o cuidado deve estar em não tornar esses momentos recorrentes e sem controle. Até porque o açúcar tem poder viciante, já que o cérebro passa a solicitar mais quantidade na busca pelo efeito prazeroso.”

“A compulsão por alimentos que são fontes de açúcar acomete em maior parte as mulheres, já que essa vontade incontrolável costuma estar associada a desequilíbrios mais comuns no sexo feminino, como desordens hormonais e alimentares, síndrome pré-menstrual (Tpm), dietas restritivas, além da fadiga adrenal, caracterizada pelo cansaço em excesso”, também afirma a nutricionista. 

 Sempre leia os rótulos dos produtos que for comprar e não escolha alimentos que contenham grande quantidade de açúcar. Normalmente, quando ele é o primeiro ingrediente da composição, ou um dos primeiros, isto significa que a quantidade de açúcar usada na fabricação é alta, a proporção utilizada na composição vai variar conforme o número de ingredientes do produto. O ingrediente que vem primeiro é o que está presente em maior quantidade, ou seja, a ordem é decrescente.

  É muito importante procurar saber exatamente o que estamos comendo. Caso tenha dúvidas, entre em contato com o SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) da empresa fabricante por e-mail, telefone ou pelas redes sociais, para esclarecê-las melhor e consulte sempre com um médico ou nutricionista para saber como está a sua saúde. Ponha os seus exames de rotina em dia e cuide-se. Prevenir é muito melhor do que remediar.

Fontes: Portal da Sociedade Brasileira de Diabetes e site Bolsa de Mulher

Riscos do consumo de transgênicos

Sopa de Letras

Pela primeira vez foi realizado um estudo completo e de longo prazo para avaliar o efeito que um transgênico e um agrotóxico podem provocar sobre a saúde pública.

O transgênico testado foi o milho NK603, tolerante à aplicação do herbicida Roundup (característica presente em mais de 80% dos transgênicos alimentícios plantados no mundo), e o agrotóxico avaliado foi o próprio Roundup, o herbicida mais utilizado no planeta – ambos desenvolvidos e fabricados pela indústria de insumos agrícolas Monsanto. O milho em questão foi autorizado no Brasil em 2008 e está amplamente disseminado nas lavouras e alimentos industrializados, e o Roundup é também largamente utilizado em lavouras brasileiras, sobretudo as transgênicas.

O estudo foi realizado ao longo de 2 anos com 200 ratos de laboratório, nos quais foram avaliados mais de 100 parâmetros. Eles foram alimentados de três maneiras distintas: apenas com milho NK603, com milho NK603 tratado com Roundup e…

Ver o post original 632 mais palavras

CONHEÇA OS ADITIVOS QUÍMICOS DOS ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS

Sopa de Letras

CONHEÇA OS ADITIVOS QUÍMICOS DOS ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS

Para manterem o sabor, a consistência e até a coloração por mais tempo, os alimentos industrializados precisam passar por alguns processos químicos. É no momento de seu preparo que recebem os aditivos que modificam suas propriedades, transformando-os para se adequarem às normas e exigências da indústria alimentícia. Mas você sabe quais são os aditivos químicos que você ingere?
Cercados de polêmica sobre a real importância do uso e dos riscos ao organismo, os aditivos químicos são substâncias que, segundo a própria Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, podem apresentar riscos de toxicidade ao organismo humano.

Para dar aroma e sabor
Nessa grande categoria de aditivos, se incluem os aromatizantes e os flavorizantes. Têm uma importante função na indústria de alimentos, pois os primeiros garantem o cheiro e os outros o sabor, como se fossem produzidos na hora, ou até “melhor”; essa sensação de algo ainda mais saboroso vem como…

Ver o post original 436 mais palavras

Disruptores endócrinos

Sopa de Letras

Disruptores endócrinos

DESREGULADORES ENDÓCRINOS

Este é um tema que todos sabemos um pouco, mas que nunca buscamos conhecer mais profundamente. Pelo menos é isso que sinto quanto falamos de desreguladores hormonais. Então resolvi escrever um pouco sobre o assunto de forma a trazer mais atenção a ele.

Os hormônios são mensageiros químicos produzidos por células ou glândulas endócrinas e que transmitem sinais de uma célula à outra. Os hormônios trabalham em conjunto com muitos órgãos e sistemas a fim de controlar e manter a homeostase do corpo (equilíbrio interno), controlando os níveis de energia do corpo, a reprodução, o crescimento, o desenvolvimento, e as respostas ao ambiente, ao stress e lesões. Portanto, como o nome já diz, os desreguladores endócrinos podem interferir nos sinais hormonais do nosso próprio corpo devido e consequentemente mexer com o funcionamento normal do nosso organismo.

Os desreguladores endócrinos são encontrados em alimentos, bebidas, remédios, pesticidas, e cosméticos…

Ver o post original 1.261 mais palavras

Cacau em pó

CACAU_EM_PO

Ao contrário do que muita gente pensa, por associá-lo equivocadamente ao ganho de peso, o cacau é um alimento ótimo para a saúde! Geralmente a pessoa engorda por consumir com frequência o chocolate ao leite, que é repleto de açúcar. Substituí-lo pelo cacau em pó ou pelo chocolate amargo, com alto percentual de cacau é muito benéfico.

O cacau é rico em antioxidantes (polifenóis), proteína, teobromina, ferro, zinco, cálcio, potássio, magnésio, lipídeos e fibras.

 Para vocês terem uma ideia, a quantidade de polifenóis encontrada no cacau é superior à encontrada no vinho tinto, nas frutas vermelhas e no chá verde

Além de ser super nutritivo, o cacau ajuda a prevenir o câncer, melhora a circulação e o nosso humor. Ele gera uma sensação de bem-estar porque aumenta a produção de fenetilamina, endorfina e de serotonina, que são neurotransmissores.

O cacau em pó pode ser utilizado no dia-a-dia no preparo de shakes, panquecas, bolos, sorvetes, smoothies, vitaminas e vários doces feitos com leites vegetais. Experimente trocar o achocolatado pelo cacau em pó, é muito mais saudável! Para dissolvê-lo bem, use um liquificador ou um mixer, verifique a quantidade a ser usada e adoce a gosto. Por ser concentrado, ele rende bastante.

Encontrá-lo à venda é fácil, pois o cacau em pó é vendido nos supermercados, padarias, lojas de produtos naturais e lojas online.

Gosto muito da marca Mãe Terra e o cacau em pó dela tem um preço ótimo: cerca de cinco reais.

Acesse o site da Mãe Terra AQUI e confira a receita desta deliciosa Mousse de Cacau:mousse abacate cacau

Gostaram? Deixem um comentário, receita ou uma sugestão de post, por favor.

Beijos e até mais;

Fernanda.

Protetor Capilar Lee Stafford

Lee

Bom dia a todos!

Hoje irei contar como foi o teste que fiz com o Protetor Capilar Flat Iron Protection Shine Mist da marca inglesa Lee Stafford.

O produto é em spray, possui uma fragrância doce, que me lembra o perfume Angel, deixa o cabelo bem resistente às altas temperaturas do secador, prancha e baby-liss e dá um brilho incrível, sem pesar. Os cabelos ficam macios e sem frizz. Ele contém Chá verde e Pantenol na sua composição

Não é um produto dos mais baratos por ser importado, mas rende bastante e tem um ótimo custo-benefício porque a qualidade dele é realmente excelente e a empresa não faz testes em animais.

O valor dele na loja Sephora online é 33 reais à vista (50 ml) ou 59 reais em até 2x de 29,50 (200ml).

Link direto para comprar pela internet: Sephora

*Descrição da loja:

Chapinhas e secadores deixam os cabelos secos e o uso frequente pode danificá-los. Este produto contém agentes protetores e Extrato de Chá Verde para deixá-la tranquila quando usar chapinhas e secadores. Também vai proteger os seus cabelos e deixá-los brilhantes e lisos.

Chá Verde é um antioxidante que ajuda a eliminar radicais livres formados por raios UV e calor. Um agente fixador assegura o estilo Poker Straight e o Panthenol mantém a hidratação duradoura.

*Modo de usar:

Aplique o produto nos fios ainda úmidos, após lavá-los e seque-os com secador.

Aplique novamente em cada seção do cabelo seco antes de usar a prancha alisadora ou um modelador.

Beijos e até mais.

Gel Facial Pele Oleosa Cativa Natureza

GelFacialCativaNatureza

Olá, primeiramente um bom domingo a todos!

Hoje vou falar sobre a minha experiência com o produto que comprei pela excelente loja online Beleza do Campo: o Gel Facial para pele oleosa da Cativa Natureza, marca pioneira que vem se destacando bastante no ramo da cosmética Cruelty-free, orgânica e natural.

Inicialmente, eu me equivoquei na forma de aplicação do produto e senti ardência, o meu rosto ficou vermelho! Depois entendi que ele é muito concentrado e passei a usá-lo com parcimônia, da maneira correta. Ele é secativo e não é um gel hidratante, é preciso ter cuidado ao passá-lo na pele do rosto, aplique apenas um pouquinho do produto e somente nas áreas mais oleosas. Passada essa experiência ruim, eu me adaptei ao produto e gostei.

Ele é um ótimo cicatrizante e tem ação antimicrobiana! Como ele é um produto totalmente natural, dificilmente causará alergia, basta seguir as recomendações de uso adequadamente (coisa que eu não fiz da primeira vez que o utilizei). A fragrância do cravo é bem pronunciada e os mosquitos passam longe de nós enquanto estamos com ele na pele ( em tempos de Zika, dengue e chikungunha, é uma grande vantagem!) . O momento ideal para eu passá-lo é quando estou em casa, de preferência antes de dormir. O rendimento dele é excelente, super concentrado! Ele pode ser usado de dia e na rua também, pois deixa a pele mate e com os poros bem reduzidos. O ingrediente Tea Tree ou Melaleuca é maravilhoso para peles com tendência à acne! É super indicado pelos dermatologistas e atua com bastante eficiência no combate às espinhas.

Segue a descrição completa do Gel Facial Pele Oleosa e da marca Cativa Natureza, contida no site da loja Beleza Natural:

O gel facial, da Cativa Natureza, é um secativo de espinhas. Suaviza irritações e controla a oleosidade da pele. Reduz visivelmente a vermelhidão, o inchaço e o tamanho das espinhas.

Formulado com óleos essenciais de Tea Tree (Melaleuca), Cravo e Lavanda, que possuem propriedades anti-inflamatórias, bactericidas e cicatrizantes. Ideal para peles com acne. O gel deixa uma sensação de frescor na pele e ajuda a diminuir a dilatação dos poros.

Esse gel também é ótimo para usar em picadas de insetos, pois tem forte ação anti-inflamatória e ajuda aliviar a coceira.

Produto certificado IBD de ingredientes naturais.
Livre de: parabenos, corantes e fragrâncias artificais, liberadores de formol, silicones, óleo mineral e derivados do petróleo, ingredientes transgênicos e irradiados.

*Não testado em animais e sem ingredientes de origem animal.

A Cativa Natureza foi fundada em 2008, no Mercado Municipal de Curitiba, Paraná, desempenhando um papel pioneiro ao eleger como setor de atuação o comércio exclusivo de cosméticos com o maior teor possível de insumos orgânicos e com rastreabilidade comprovada por instituições de referência. A marca busca difundir o conceito de cosméticos 100% naturais, livres de substâncias agressoras à saúde e ao meio ambiente. Os cosméticos da Cativa Natureza não são testados em animais, demonstrando o respeito que a marca tem por todos os seres vivos. Seus parceiros utilizam proteína vegetal em substituição à queratina (de origem animal). Suas coleções se inspiram na riqueza natural do Brasil.

*Modo de Usar:
Com o rosto limpo, aplique delicadamente o gel no local afetado pela acne. Pode ser usado de manhã, à tarde e/ou à noite – até obter o resultado.

*Atenção: produto com composição concentrada – poderá ocorrer um estímulo na pele logo após a aplicação, voltando ao normal rapidamente.
—————-

COMPOSIÇÃO:
Melaleuca Alternifolia Leaf Water* (Hidrolato de Tea Tree / Melaleuca), Glycerin, Eugenia Caryophyllata Essential Oil (Óleo Essencial de Cravo), Lavandula Officinalis Oil (Óleo Essencial de Lavanda), Xanthan Gum, Sodium Citrate, Dehydroacetic Acid (and) Benzoic Acid (and) Benzyl Alcohol, Eugenol, Limonene, Linalool.
*Ingredientes orgânicos
Com 83,50% de insumos orgânicos rastreados
—————

PRECAUÇÕES:
Uso externo. Em caso de sensibilidade ao produto, suspender o uso. Manter fora do alcance de crianças.
—————

APRESENTAÇÃO:
Frasco de plástico tipo bisnaga.
Vem protegido em uma caixinha de papel.
Conteúdo 60g

E vocês? Já usaram este Gel Facial secativo ou algum outro produto da Cativa Natureza? Estou com muita vontade de testar o BB Cream e outros produtos desta marca incrível!

Beijos e até mais!

 

Já pensou em fazer seus próprios pães em casa?

*  Panificadora Philco Eletronic 12 Programas Preta

Prepare deliciosas receitas para toda sua família com a Panificadora Philco Eletronic

Ela conta com 12 programas e é ideal para fazer pães, geleias, panetones, sanduíches, massas, bolos e muito mais!

E você ainda pode programá-la com 13 horas de antecedência para saborear um pão quentinho no café-da-manhã. Ela possui 4 opções de tamanho de pão (450g, 600g, 900g e 1200g) e 3 opções de ponto de pão (Claro, Médio e Escuro).

Escolha o ponto certo e delicie-se!

Além disso, a Panificadora Philco mantém o alimento aquecido após seu preparo.

Também possui design compacto, acabamento de excelente qualidade, visor para acompanhar a confecção dos alimentos e forma removível com revestimento antiaderente. Você receberá junto com a máquina um livro de receitas.

Leve mais praticidade e sabor para o seu dia-a-dia com a   Panificadora Eletronic Philco!

 

 

Peso aproximado do produto – 4,9kg

Garantia da Philco (SAC: 0800-417644): 12 Meses

Cor: Preta, com detalhes em aço escovado.

Voltagem: 110V ou 220V (não é bivolt)

Loja: Shoptime

*Link de afiliada direcionado para a loja online Shoptime

*Imagens Meramente Ilustrativas.

Todas as informações divulgadas são de responsabilidade do fabricante/fornecedor.

Verifique com os fabricantes do produto e de seus componentes eventuais limitações à utilização de todos os recursos e funcionalidades.

Phebo- “O bem estar fica”

 

 

Fundada em 1930, em Belém do Pará, pelos primos portugueses Mario Santiago e Antonio Lourenço da Silva, com o famoso sabonete preto de glicerina, a Phebo vem inovando para cuidar da pele de diferentes gerações, de maneira eficiente e natural. As fragrâncias combinam originalidade e conforto.

Em 2004, a Granado adquiriu a marca Phebo, que antes pertenceu às multinacionais Procter & Gamble (1988) e Sara Lee (1998).

  A tradicional marca Phebo conquistou o coração dos brasileiros com os seus produtos.

A marca ampliou bastante a variedade de produtos e modernizou as embalagens, sem deixar de lado a imagem clássica e retrô. Agora podemos encontrar hidratantes, cremes para as mãos e pés, diversos sabonetes líquidos ou em barra, águas perfumadas para o corpo e para o ambiente, manteigas corporais, velas aromáticas, base, pó compacto, batons, gloss, sombras, máscara de cílios, … , e até mesmo uma esponja muito similar à famosa Beauty Blender.

Eu gosto muito dos produtos da Phebo! Costumo usar os sabonetes em barra com as fragrâncias Limão Siciliano (cítrica, muito refrescante!), Figo da Turquia e Cedro do Marrocos (amadeirada).

Confesso que ainda não experimentei nada da linha de maquiagem nem os hidratantes da marca, mas tenho bastente interesse e farei isto em breve.

  Você pode encontrar os Produtos Phebo nas farmácias, perfumarias Granado ou em algumas lojas online.

acervo-figo-da-turquia-1024x1280.jpg

 

*Imagens do acervo contido no site oficial da Granado/Phebo.

 

Shampoo Argila e Andiroba da Força da Terra

Forca da Terra 003-500x500

Bom dia, leitoras e leitores! Que a Páscoa de vocês tenha lhes trazido renovação, paz, amor e esperança!

Encontrei na Loja Mundo Verde o Shampoo de Argila & Andiroba da marca Força da terra, que fabrica diversos produtos (inclusive os famosos sabonetes de argila), e fiquei encantada!

A fórmula dele mudou, trazendo agora na sua composição vários aminoácidos. O cheiro é muito agradável e suave, lembra mel. Serve para todos os tipos de cabelos e possui o ph balanceado. Ele pode ser usado diariamente e vem com 250 ml.

Não contém sal, corantes, parabenos, derivados de formol e componentes de origem animal. Não é testado em animais e a embalagem dele é biodegradável. 

O shampoo deixou o meu couro cabeludo sem oleosidade por cerca de 24 horas sem ressecar os cabelos, que ficaram com um aspecto brilhante e sedoso! A argila possui minerais e equilibra a oleosidade, enquanto o óleo de andiroba nutre, e os aminoácidos restauram os danos provocados por químicas e outros fatores, devolvendo a naturalidade aos fios.

O Shampoo de Argila & Andiroba é vendido em lojas de produtos naturais e pelo site da marca Força da terra .

Beijos e uma semana de muitas realizações para vocês!